ALPB aprova homenagem a Fernanda Benvenutty em Ambulatório para travestis e transexuais

Aprovado por unanimidade o projeto de Lei 1.445/2020, que denomina de Fernanda Benvenutty o Ambulatório de Saúde Integral para Travestis e Transexuais da unidade integrante do Complexo Hospitalar Clementino Fraga, do Governo Estadual, localizado no município de João Pessoa, e que este ano completa 8 anos de atividade.

Para a deputada estadual Estela Bezerra, autora do projeto, o ato é antes do tudo, uma homenagem. “Fernanda foi uma ativista importante, que debatia e lutava pela cidadania da população LGBTQIA+, especialmente das mulheres trans e travestis. Foi uma grande educadora política, e que promovia a cidadania de todas e todos”. disse Estela durante a Sessão.

Beatriz Duarte, representante da Associação de pessoas travestis e transexuais da Paraíba – Asspttrans, parabenizou a deputada Estela pelo reconhecimento. “Nós da Asspttrans entendemos a importância da mulher, mãe e militante. Nós que fazemos parte desta população estamos felizes com o reconhecimento da doação de toda uma vida desta guerreira. Gratidão”.

O mesmo sentimento é compartilhado por Karina Espínola, coordenadora da Aliança Nacional LGBTQIA+ na Paraíba. “Este reconhecimento é fruto de uma luta constante de uma travesti e mulher trans, ativista e educadora política. Um recado para nossa comunidade LGBTQIA+, de que não devemos desistir de seguir os nossos sonhos e encontrar novos caminhos longe de toda vulnerabilidade social que nos cerca”.

O legado de Fernanda Benvenutty

Uma das mais conhecidas ativistas da causa LGBTQIA+ da Paraíba, Fernanda exercia há mais de 20 anos o ofício de técnica de enfermagem, além de também ser funcionária pública no cargo de parteira na Maternidade Cândida Vargas e trabalhar no Hospital Psiquiátrico Juliano Moreira, em João Pessoa.

Benvenutty tem um marcante histórico de militância pelos direitos das travesitis, transexuais e transgêneros em João Pessoa. Em abril de 2005, ela, com uma comissão de militantes do movimento LGBT brasileiro, discursou na Câmara dos Deputados em Brasília, junto à Comissão de Direitos Humanos e Minorias, para reivindicar verbas para programas de combate à homofobia. Ela também fazia parte do Conselho Nacional de Saúde e deu uma importante contribuição na construção de políticas públicas para o segmento que representava.

Fernanda chegou a se candidatar para vereadora em João Pessoa em duas ocasiões, sendo a primeira travesti a disputar o cargo na Capital. Também foi presidente do Grêmio Recreativo e Cultural Escola de Samba Unidos do Roger, e chegou a ser homenageada do carnaval 2020, com o samba enredo “Abram alas que ela vai passar”. Fernanda sofria de câncer há algum tempo, e faleceu em fevereiro de 2020, antes de ver sua escola de samba ser anunciada campeã no carnaval daquele ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui