Sikêra Júnior processa Neto após ter sido chamado de “homofóbico” por apresentador da Band

Sikêra Júnior, âncora do “Alerta Nacional”, da RedeTV!, entrou com um processo na 6ª Vara do Juizado Especial Cível de Manaus contra o apresentador Neto, da Band.

Segundo informações do site TV Pop, Sikêra está pedindo na Justiça uma indenização no valor de R$ 44 mil reais do ex-jogador de futebol, além de exigir que ele apague os vídeos em que chamou Júnior de homofóbico.

O comunicador também quer um pedido público de retratação na programação da Band e nas redes sociais.

Uma das mais recentes polêmicas de Sikêra Jr. envolve um cachê de R$ 120 mil recebido pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido) para fazer ações publicitárias. O apresentador admitiu que recebeu a quantia em dinheiro. “Ganhei os R$ 120 mil e estou esperando mais. Foi trabalhando honestamente. Esse dinheiro antes ia para a Folha (de S.Paulo), para a TV Globo. Mas agora não vai mais. Distribuem para outras empresas. E esse ainda é um dos menores cachês”, contou.

O apresentador frequentemente é lembrado pelo “meme” em que ele diz, durante o “Plantão Alagoas”, que os maconheiros iriam morrer antes do Natal de 2016. Foi essa fala que o fez ficar famoso. “Você, que fuma maconha. Você vai morrer antes do Natal. Você, maconheiro, não vai ver Papai Noel, não vai ver árvore de Natal. Vai para o inferno!”, disse ele na ocasião.

Sikêra Jr. exibiu ao vivo um vídeo de um homem estuprando uma égua, crime chamado de zoofilia, e simulou a cena em tom de humor. A internet repercutiu muito o caso e o apresentador foi criticado até por Luisa Mell, defensora dos direitos dos animais: “O tal apresentador, quando criticado, manda as seguidoras arranjarem um jumento para se acalmarem! Demonstrando claramente que não respeita animais, nem pessoas.”

Nem a Rainha dos Baixinhos escapou dos comentários infames de Sikêra Jr. Após Xuxa criticar a atitude do caso da zoofilia, assim como Luisa Mell, o apresentador relembrou a famosa cena do filme “Amor, Estranho Amor” (1982) e a chamou de pedófila, além se sugerir que ela faz apologia às drogas em seu livro infantil. Xuxa processou o apresentador e aguarda decisão da Justiça.

Às vésperas do Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+, no dia 29 de junho deste ano, o apresentador iniciou o “Alerta Nacional” com falas homofóbicas, dizendo que os homossexuais são uma “raça desgraçada”. Após perder patrocinadores, Sikêra Jr. se pronunciou, dizendo que se excedeu, mas manteve a palavra. “Tudo que falo nesse programa é de minha responsabilidade (…). Mantenho a minha palavra. Quem trabalha comigo sabe do respeito que tenho por todos, independente da religião, cor da pele, sexo”, afirmou ele.

Mesmo após ter sofrido com a infecção pelo coronavírus, o apresentador afirmou que apoiava os tratamentos precoces contra a Covid-19, como a cloroquina. Usando o tubo de oxigênio, ele apareceu ofegante e falou sobre o remédio: “A cloroquina, gente, finalmente liberaram, porra. O negócio já era pra tá na mão do povo. Já era pra tá liberado. Mas, sabe o que acontece? Esse povo safado da esquerda”, declarou ele na ocasião.

A modelo Viviany Beleboni, que ficou conhecida por interpretar Jesus Cristo durante a Parada do Orgulho LGBTQIA+ de 2015, foi ofendida por Sikêra Jr. Após afirmar que as pessoas da comunidade “acabaram com a família”, o apresentador ainda questionou. “Eu quero saber como é que uma desgraça dessa pode exigir respeito meu e seu”. Sikêra Jr. foi processado pela modelo, mas ela perdeu uma das três ações que move contra o apresentador e terá que pagar quase R$ 16 mil de multa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui