Policial civil “GATA” é presa novamente por perseguir ex-namorado; assista

Integrantes da Corregedoria da Polícia Civil do Distrito Federal prenderam preventivamente, na noite desta sexta-feira (6/8), a agente da instituição Rafaela Motta, por falsidade ideológica e coação.

Ela havia sido detida e liberada, na terça-feira (3/8), após invadir o prédio do Departamento de Polícia Especializada (DPE) durante o depoimento de um ex-namorado. Rafaela é investigada por stalking — perseguição — contra o ex-companheiro, que teria sofrido ameaças de morte.

No início desta semana, a acusada assinou um termo circunstanciado e foi liberada. No entanto, a polícia pediu pela prisão, por considerar que ela coloca em risco o andamento das investigações. A vítima prestava depoimento na tarde da última terça-feira (3/8), no prédio da Corregedoria, quando a policial invadiu o local e começou uma briga.

Rafaela Motta também é professora de português e palestrante. Ela tem uma conta no YouTube e um perfil no Instagram com mais de 26 mil seguidores. Após a repercussão do caso, ela deletou a conta na rede social.

Denúncia do MPDFT

Em 2018, a policial ameaçou um homem com quem namorava, segundo denúncia apresentada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). A vítima relatou que conheceu a agente por meio de um aplicativo de relacionamento. Após desentendimentos entre o casal, o companheiro quis romper a relação, mas ela não aceitava o término e ligava insistentemente para ele.

Em 10 de março daquele ano, a agente esteve no endereço dele, onde ficou por várias horas e só saiu depois de a vítima aparecer e dizer que os dois poderiam se encontrar no dia seguinte. “Nos encontros seguintes e (após) contatos telefônicos, o ofendido insistiu em terminar o relacionamento com a imputada, mas ela não concordou, passou a procurá-lo e a ligar insistentemente para ele, inclusive em seu local de trabalho (Banco do Brasil), gerando-lhe desgastes e transtornos”, diz um dos trechos do documento.

Em uma das ocasiões, a policial o ameaçou e disse que ele “estava mexendo com fogo, que faria vexame no trabalho dele para fazê-lo perder o emprego e, ainda, a fim de amedrontá-lo, insinuou que também faria mal aos familiares dele, dizendo que, se contasse alguma coisa, seria pior, que tudo voltaria em dobro para ele e sua família”.

Ela foi condenada pela Justiça nesse processo e recebeu pena de restrição de direitos, podendo responder em liberdade. A reportagem tentou contato com a agente, mas não teve retorno até a última atualização deste texto. O espaço permanece disponível para manifestação. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui