Suspeitos de participação na morte de Expedito Pereira vão à júri popular

Os três suspeitos de terem participação no atentado que tirou a vida do ex-prefeito de Bayeux, Expedito Pereira, vão à júri popular. A Justiça da Paraíba aceitou a denúncia do Ministério Público contra Leon Nascimento dos Santos, Gean Carlos da Silva Nascimento e Jose Ricardo Alves Pereira, que é sobrinho da vítima. Expedito Pereira foi baleado quando caminhava perto de casa no bairro de Manaíra, na capital paraibana, em dezembro do ano passado. A motivação do crime teria sido financeira.

Pedro Pereira, filho do ex-prefeito, revela que a possível condenação deve trazer um sentimento de recomposição para família e população. “Recebemos com satisfação a decisão de pronúncia dos acusados quanto ao assassinato do meu pai. É uma decisão que leva à júri popular o juízo de culpa ou de absolvição dos acusados e nós estamos convictos de que o júri não vai falhar em fazer justiça nesse caso. A justiça que é o clamor, além da família, mas da população bayeense e da população paraibana, não vai trazer o homem, não vai trazer o monumento que era eterno Prefeito Doutor Expedito Pereira, mas vai nos trazer o sentimento de recomposição e dar a cada o que é seu aquele, porque aqueele que comete um crime ele deve pagar pelos seus erros e é tudo que nós esperamos confiantes nas instituições paraibanas”.

Depoimentos

O depoimento de Leon foi divulgado na no dia 19 de Fevereiro. Ele disse que foi acuado a cometer o crime pelo sobrinho da vítima, José Ricardo. Ele disse que Ricardo era resposável por administrar as finanças do tio e estaria fazendo mal uso desse dinheiro, inclusive prática de agiotagem. A motivação, narrada por Leon, é que Ricardo não queria ser descoberto pelo tio. Leon relatou ainda que ele e sua família receberam ameaças caso não executasse o crime.

A defesa de Ricardo Pereira disse, na época, que o depoimento de Leon não passa de uma “encenação”. Falou ainda que o sobrinho de Expedito não é o mandante do crime e nega qualquer envolvimento de Ricardo na morte do ex-prefeito. A defesa nega também as ameaças e que ele teve desavenças financeiras com o ex-prefeito. A defesa de Jean informou que só vai se pronunciar após ter conhecimento do vídeo.

As prisões dos dois acusados de envolvimento no assassinato do ex-prefeito de Bayeux, Expedito Pereira, passaram de temporária para prisão preventiva no dia 12 de Fevereiro. O sobrinho de Expedito, José Ricardo, é apontado como mandante, já Leon Nascimento dos Santos é apontado como executor do crime. Jean Carlos da Silva Nascimento, que está foragido, também seria uma idealizador do crime.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui