Campinense passa nos pênaltis pelo Sergipe e vai disputar as oitavas de final da Série D

Campinense e Sergipe duelaram na tarde deste sábado (18), no estádio Amigão, em Campina Grande, no segundo jogo da segunda fase da Série D, valendo vaga nas oitavas de final da competição. Mais uma vez o rubro-negro saiu na frente do placar, recuou depois de mexidas questionáveis, tomou o empate. Mas tudo se desenhou para que um ídolo mais uma vez brilhasse: assim como na semifinal do Paraibano, diante do Botafogo-PB, Mauro Iguatu, nas cobranças das penalidades, defendeu dois, e guardou a batida que mantém o time da Bela Vista com o sonho do acesso.

Ranielle Ribeiro mandou para campo o mesmo time que iniciou em Aracajú, enquanto Elias Borges, sem o volante Brendon, preferiu escalar três zagueiros. E se o placar da primeira peleja foi definido com um pênalti mal marcado com a bola batendo no braço de Ítallo fora da área, foi em uma penalidade que a Raposa saiu na frente do marcador.

Por ironia do destino, logo no começo da partida, Cláudio tentou tocar para a área e a bola bateu no braço de Hitalo. O árbitro Roger Goulart anotou pênalti. Na cobrança, aos 5 minutos, Fábio Lima tocou no canto esquerdo do goleiro, que pulou na bola, mas não alcançou, abrindo o placar do jogo.

Novamente Fábio Lima teve oportunidade de marcar com muita clareza. Aos 21 minutos, Matheus Régis avançou em velocidade pela esquerda e tocou para a pequena área, onde o camisa 10 tinha o gol aberto para marcar, mas a batida de canhota, de chapa, acabou subindo demais e passou por cima do gol.

No minuto seguinte, os papéis se inverteram. Fábio Lima, pela direita, tocou para o meio do gol, de onde tocou para a marca do pênalti, e lá apareceu Matheus Régis para bater de primeira. A bola, mirando o canto esquerdo de Igor Rayan, passou tirando tinta da trave.

A primeira estocada dos visitantes veio aos 31 minutos. Paulinho Simionato recebeu na entrada da área, fez o pivô e tocou para Ageu, que veio de trás e bateu de direita, no canto esquerdo de Mauro Iguatu, que se esticou todo e conseguiu desviar a bola pela linha de fundo.

A Raposa seguia melhor no jogo e, aos 42, desperdiçou uma chance inacreditável. Fábio Lima arrancou pela direita, Matheus Régis protegeu no meio da área com o corpo, e a bola sobrou limpa, para Cláudio, cara a cara com o goleiro, só concluir, mas o camisa 9, de pé esquerdo, tocou para ora, a direita da meta.

No lance seguinte, após cobrança de escanteio pela direita, o Gipão tentou reagir e, após a defesa afastar, Paulo Fernando soltou a bomba da intermediária, assustando Mauro Iguatu, que não tocou na bola que passou a direita de sua trave.

Segundo tempo

Assim como no jogo fora de casa, o Campinense voltou para o segundo tempo, com vantagem, muito recuado. Cláudio ainda perdeu outra oportunidade dentro da área, logo nos primeiros movimentos, mas aos 14 minutos, após avanço de Da Silva pela direita, Paulinho desviou na primeira trave, Mauro Iguatu ainda resvalou na bola, que explodiu no poste esquerdo.

A equipe visitante ganhou campo, encurralou o rubro-negro, que não conseguia sair, e que piorou de rendimento após as alterações feitas pelo treinador Ranielle Ribeiro, que novamente muito cedo tirou os homens de frente, mas desta vez postou o time mais defensivamente como, por exemplo, com a saída de Fábio Lima para a entrada do zagueiro Weverton.

Mesmo pior no jogo, a Raposa também criou suas chances. Aos 34, após bola cobrança de escanteio da esquerda, Ítallo desviou na primeira trave e Marcos Nunes encheu o pé esquerdo, da risca da pequena área, para tentar marcar, mas a bola explodiu no travessão do arqueiro sergipano.

E em novo escanteio, agora da direita, dois minutos depois, Ítallo subiu de novo e cabeceou, desta vez para o gol, mas Igor Rayan espalmpou.

O Sergipe estava vivo no jogo e, aos 37, chegou cara a cara com Luizinho na frente do goleiro Mauro Iguatu, que em três oportunidades evitou que a bola fosse para o gol que tinha a dupla de zaga protegendo, pois não havia mais ninguém para cortar.

A postura excessivamente defensiva do Campinense cobrou um preço caro. Aos 41, em cruzamento vindo da esquerda, Henrique Bahia subiu livre na marca do pênalti, desfilando na grande área, e colocou de cabeça no ângulo direito, sem chances de defesa, deixando tudo igual no jogo.

Nos acréscimos, o Campinense ainda tentou conseguir a classificação nos 90 minutos e Dione, da entrada da área, chutou de esquerda, mas o goleiro sergipano conseguiu fazer boa defesa e espalmar para escanteio.

Com novo empate, a decisão foi para os pênaltis.

Pênaltis

Campinense: Dione marcou, Michel Bennech marcou, Rafinha marcou, Mauro Iguatu marcou.

Sergipe: Doda fez, Paulinho foi defendido por Mauro Iguatu, Luizinho fez, Júlio Lima foi defendido por Mauro Iguatu .

Agora, a Raposa aguarda o vencedor do confronto entre Guarany de Sobral x Galvez para saber quem será seu adversário nas oitavas de final.

Ficha técnica

Campinense 1 x 1 Sergipe (Agregado 3 x 3) | Pênaltis 4 x 2

Campeonato Brasileiro da Série D 2021
Segunda fase – Jogo de volta
Estádio: Amigão (Campina Grande)

Arbitragem: Roger Goulart (RS); Fabrício Lima Baseggio (RS) e Tiago Auguto Kappes Diel (RS)

Gols: Fábio Lima (C); Henrique Bahia (S)
Cartões amarelos: Hitalo (S)

Campinense: Mauro Iguatu, Felipinho, Michel Bennech, Ítallo João Victor; Rafinha, Patrick (Dione), Marcelinho (Vitinho); Fábio Lima (Weverton), Matheus Régis (Marcos Nunes) e Cláudio (Serginho Paulista). Técnico: Ranielle Ribeiro.

Sergipe: Igor Rayan, Lazarini, Júlio Pit, Hitalo (Henrique Bahia); Paulo Fernando (Da Silva), Elivélton Araújo (Erick Bahia); Ageu, Ninho (Luizinho), Doda; Júlio Lima e Paulinho Simionato. Técnico: Elias Borges.

vozdatorcida.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui